Petição Pública Logotipo
Ver Petição Apoie esta Petição. Assine e divulgue. O seu apoio é muito importante.

PETIÇÃO POR UMA EDUCAÇÃO DE EXCELÊNCIA EM PORTUGAL e CRIANÇAS FELIZES

Para: Ex.mo Doutor Tiago Brandão Rodrigues, Dignissimo Ministro da Educação


PETIÇÃO POR UMA EDUCAÇÃO DE EXCELÊNCIA EM PORTUGAL e CRIANÇAS FELIZES

Esta Carta foi enviada ao Ex.mo Doutor Tiago Brandão Rodrigues, Dignissimo Ministro da Educação, no dia 11/11/2016, e hoje inicia como Petição online.

Agradecemos a todos que leiam e assinem, com vista a solicitar uma reformulação da Educação por um Portugal melhor, por uma Educação de Excelência e por Crianças Felizes!

Ex.mo Doutor Tiago Brandão Rodrigues, Dignissimo Ministro da Educação
Vimos, por este meio, solicitar uma reunião com Vª Exª, porque estamos muito preocupadas com a Educação dos nossos filhos.
Vamos pôr a circular esta carta como uma petição online para reunir o máximo de Encarregados de Educação, Mães, Pais, Avós, Famílias, Associações de Pais e todas as pessoas no nosso País interessadas em ver posta em prática uma reformulação da Educação por um Portugal melhor, por uma Educação de Excelência e por Crianças Felizes.

Os pontos essenciais que questionamos e pretendemos que mereça a V/ melhor atenção, no sentido de ajustamento eficaz são:
1. No referente aos Professores, para um melhor desempenho, maior empenho e empatia com os Alunos, que estão a formar a sua personalidade e preparar o respetivo Futuro:
1.1. Reformular todo o Ensino e introdução de métodos pedagógicos e didáticos mais atualizados;
1.2. Reorganizar a carga de Objetivos dos Professores que se orientam e limitam apenas a dar conteúdos/matéria e cumprir objetivos, num constante esquema diário de avaliação, o que tem feito com que se esqueça que:
- As Crianças não podem ser automatizadas nem preparadas para serem escravos nem máquinas reprodutoras dos conteúdos debitados em cascata;
- Há que ter em atenção a diversidade de personalidades das nossas Crianças, há que desenvolver os Sonhos e a Vocação de cada um, bem como desenvolver Competências e Aptidões inatas, tendo em conta que elas são o retrato das Famílias e o FUTURO do País;
- É de importância vital a construção de um ensino mais personalizado, que possibilite aos Alunos terem interesse sem sentir pressão por parte dos Professores que se focam apenas no cumprimento dos programas e metas curriculares;
1.3. Assim, é premente alterar as metas curriculares, que são muito exigentes, tanto para os Professores como para os Alunos, de modo a que o ambiente de trabalho na sala de aula possa ser mais flexível, e de modo a ser possível respeitar os ritmos de aprendizagem de cada Aluno, evitando o stress e a agressividade;
1.4. Sugerimos a criação de um código de Ética para os Professores, de modo a que o gritar e impor ditatorialmente não sejam o constante modelo de Educação praticado, o que provoca a revolta, o desinteresse e o aumento da agressividade nas Crianças – agressividade gera agressividade, comportamento gera comportamento.




2. A nível da carga horária e Metodologias:
2.1. Excessivas horas sentados, o que cremos ir contra o desenvolvimento psicomotor das Crianças, pela imobilidade forçada e má posição da coluna. Esta situação é piorada devido em muitas Escolas ao imobiliário das salas ser muito antigo e em nada ergonómico;
2.2. Conteúdos, vulgo Matéria: a sistematização continuada dos mesmos, sem pausas que permitam a receção e a assimilação por cada um dos Alunos, acabam por ser excessivos e não estarem adequados ao desenvolvimento cerebral das Crianças;
2.3. Ensino incidindo no Sistema de Fichas: se permite a individualização escrita da aprendizagem, não permite a consolidação dos conhecimentos e a orientação individual dos mesmos, pela massificação dos conteúdos.


3. Avaliação:
A avaliação diária e sistemática, sem ser programada e acordada com os Alunos, nem explicado o propósito, nem tão pouco o resultado imediato e futuro e a definição de estratégias de remediação, inibe a iniciativa e a autoestima das Crianças, pelo medo punitivo de errar, indo contra TODAS as regras que o Ministério da Educação pretende desenvolver.
Como resultado final promove o desinteresse, o medo de falhar, inibe o desenvolvimento psico-motor e intelectual e gera momentos de stress e de agressividade, levado a uma alteração comportamental, infelizmente muitas vezes irreversível.


4. Trabalhos de Casa, vulgo TPCs:
4.1. Os Trabalhos de Casa cremos serem excessivos e não adequados a Crianças que necessitam de tempo para BRINCAR. Sentimos ser premente ser estabelecido a redução da carga de TPCs de modo a que as Crianças vivam o BRINCAR e para que tenham tempo para a FAMILIA;
4.2. A Correção dos TPCs: A sua correção maciça na sala de aulas leva não só ao afastamento dos Alunos com mais dificuldades e menor perceção da matéria, como dos mais avançados, que se sentem desinteressados e postos de lado, levando a distrações que facilmente são tidas como mau comportamento.


5. Número de Alunos por sala de aulas:
5.1. Turmas sem Alunos com necessidades educativas especiais devem ter no máximo 15 Alunos, e desde que a dimensão da sala de aulas comporte as respetivas mesas e cadeiras com espaço suficiente entre elas para o professor e Alunos circularem e manterem o seu espaço;
5.2. Turmas com Alunos com necessidades educativas especiais devem ter sempre uma Professora de Apoio.


6. Idas à Casa-de-Banho:
6.1. Achamos ser importante os Alunos terem o direito a ir à Casa-de-Banho quando precisam, não tendo que ficar cingidos apenas aos intervalos;
6.2. Ainda assim se o normal para alguns Professores é as Crianças aguentarem sem poderem ir à casa de banho e de modo a tentar minimizar estas idas à Casa-de-Banho durante a aula, devia haver um espaço de 10m de hora a hora que permitisse aos Alunos irem à casa de banho, sendo que os que não o fizessem ficariam na aula num break time de relax, como pintando ou contando uma história.


7. Qualidade da Alimentação / Opção de Dieta e Vegetariano:
7.1. De modo a respeitar as opções alimentares da Famílias, achamos que deve existir na Escola a opção de alimentação vegetariana;
7.2. Também porque a obesidade infantil aumenta em crescendo, há que respeitar os hábitos alimentares de cada criança, existindo refeições alternativas.


8. Recreios Exteriores e Interiores:
8.1. Sentimos ser fundamental as Crianças, que têm hora do almoço das 12h30 às 14h, este horário ser alterado para duração de uma hora apenas – as Crianças almoçam e quando não chove vão para o recreio exterior brincar estando a ser expostas ao Sol em horas não recomendadas, agravado pelo facto de estarem a fazer a digestão;
8.2. Sugerimos que o horário de almoço de Professores e Alunos passe a ser de uma hora, e que esta meia hora retirada seja introduzida numa altura do dia que vá permitir à Crianças BRINCAR a horas mais saudáveis;
8.3. Também quando chove ou quando o tempo não está favorável para que as Crianças brinquem no exterior, é premente a existência de uma zona interior de recreio na Escola preparada para as Crianças.


9. As Auxiliares e Supervisão das Crianças:
9.1. As Auxiliares devem ter formação na área da Educação, bem como em Primeiros Socorros Infantis e remuneradas de acordo;
9.2. As Auxiliares devem ser avaliadas pelo seu desempenho de modo a sabermos que temos as nossas Crianças entregues a pessoas profissionais, com vocação e afetuosas;
9.3. As suas tarefas devem ser orientadas não só para o apoio aos Professores e à limpeza das Escolas, mas também à supervisão dos Alunos, tendo sempre em atenção que as Crianças têm direito a BRINCAR e devem ser respeitadas, e não cuidadas aos berros como muito se vê;
9.4. As Auxiliares cuidem e velem pelas Crianças nos intervalos, evitando as recorrentes formas de bullying nas Escolas, que vão de andarem aos pontapés até tareias agressivas o que tem que deixar de ser considerado normal nas Escolas Portuguesas;
9.5. As Auxiliares cuidem na hora do almoço, verificando e/ou ensinando as Crianças a comer com os talheres, sempre que necessário;
9.5. As Auxiliares devem ser colocadas em maior número nas Escolas, numa proporcionalidade de, por exemplo, por cada 15 Alunos uma auxiliar, de modo a poder existir uma Auxiliar que seja a referência de cada turma;
9.6. Cada sala de aula com Crianças com necessidades especiais deve ter uma Auxiliar extra de apoio.




10. Introdução de métodos tranquilos e de regresso à Natureza
10.1. Todas as medidas de melhoria da Educação em Portugal devem ser aplicadas, inclusive a introdução de métodos tranquilos como iniciar a aula com uma pequena Meditação que acalma e foca a Criança e está cientificamente comprovada como benéfica para a Saúde, como já é feito em algumas Escolas;
10.2. As atividades ao ar livre também devem ser fomentadas, bem como toda a ligação à Natureza, o retorno ao natural.

Agradecemos a melhor atenção de Vª Exª para os pontos essenciais que questionamos e aguardamos a marcação da reunião com Vª Exª com a máxima brevidade possível.

Melhores Cumprimentos e Agradecimentos,

Grupo de Encarregadas de Educação “Por uma Educação de Excelência em Portugal e Crianças Felizes”

Email: eduexcelenciaportugal@hotmail.com



POR UM ENSINO FOCADO NA VALORIZAÇÃO DE CADA ALUNO, NO RESPEITO PELA SUA INDIVIDUALIDADE E ORIENTAÇÃO PARA A SUA VOCAÇÃO.

POR UM ENSINO DE EXCELÊNCIA QUE RESPEITE O ALUNO E O PROFESSOR E PROMOVA O RESPEITO-MÚTUO.

POR UM ENSINO BASEADO NO AMOR E DEDICAÇÃO.

POR UM PORTUGAL DE PESSOAS FELIZES. POR UM PORTUGAL AGORA E SEMPRE MELHOR!


Qual a sua opinião?

A actual petição encontra-se alojada no site Petição Publica que disponibiliza um serviço público gratuito para todos os Portugueses apoiarem as causas em que acreditam e criarem petições online. Caso tenha alguma questão ou sugestão para o autor da Petição poderá fazê-lo através do seguinte link Contactar Autor
Assinaram a petição
161 Pessoas

O seu apoio é muito importante. Apoie esta causa. Assine a Petição.